Otimismo

Saudações Positivas!

Você se considera uma pessoa otimista? Conheça a estória da Norma.

Na cidade de Brasília residia o casal Pedro e Joana. Eles estavam casados havia 6 anos. Eles passarem os últimos 18 meses tentando engravidar. Até que em setembro Norma descobriu que estava grávida.

Em meio a muita alegria o casal fez planos para o bebe. Se for menino será Iso e se for menina será Norma. O começo da gravidez transcorreu tudo na normalidade.

Exame após exame a criança ia se desenvolvendo e os pais iam, cada vez mais, se unindo e construindo um novo lar para o novo bebe.

Ao descobrirem que era uma menina, os pais falaram…. termos a Norma na casa. Em meio a festas e alegrias os pais fizeram o chá de fraldas, o quarto do bebe com cores claras e tudo estava pronto.

Na manha do dia 17 de maio, Joana começa a sentir dores. Norma estava pronta para nascer. As 14h nascia, em Brasília, Norma com 4kg e 47cm.

Foi muita alegria. Seu Dimitri e dona Dalva, avós paternos, choraram de emoção. Pedro e Joana se emocionaram em lágrimas.

Recebida a alta, o novo casal de pais foi para casa. A primeira semana foi uma bênção. Norma dormia muito. Não chorava e era tranquila e quieta.

Preocupação

Pedro ficou preocupado. Norma não chorava… não respondia a estímulos auditivos. Joana, que lera muito durante a gravidez, disse que isso era normal. Que em alguns bebes a audição vai se desenvolvendo. Ela pediu para que ele fosse otimista e esperasse.

Pedro, não ficou contente com a resposta. A alegria da chegada da pequena filha deu lugar a angústia, ansiedade e pensamentos desconexos. “Como será criar uma filha com deficiência auditiva?” Por que isso está acontecendo?”  Eram alguns dos pensamentos de Pedro.

Até que, de tanto ficar aflito, sem dormir e discutindo com Joana, o casal resolveu levar a pequena Norma ao médico. Dra. Luísa os recebeu e, após fazer alguns exames, disse que a filha está ótima. Ganhou peso, saiu dos 4kg para os 5kg e 400g. Cresceu 3 cm, e agora estava com 50cm.

Joana disse, eu não falei?! Tenha calma! Seja otimista! Não há nada de errado. Ao chegar em casa, Pedro ainda não estava satisfeito. Incomodado… andava de um lado para o outro.

De repente! Sorriu, pegou Norma no berço e deu um grito peto do ouvido esquerdo. A criança, que estava quieta chorou alto. Berrou. Se tremeu. Assustada, Joana corre ao quarto da bebe…. e vê uma cena inusitada…. Pedro chorando com a Norma.

Ao ver Joana, Pedro grita. Ela escuta! Ela escuta!

Reflexão

Como foi para você ler esta estória?

Você, realmente, se considera uma pessoa otimista?

Como você reagiria se estivesse no lugar dos pais da Norma?

Otimismo

Pode-se entender o otimismo como a crença que o indivíduo detém de que os acontecimentos positivos são atribuídos a causas individuais, permanentes e universais.

Dimensões do otimismo

Existem duas dimensões para se analisar o otimismo: a permanência e a penetrabilidade. A primeira consiste na forma como o individuo enfrenta os eventos na sua vida.  Por exemplo, a pessoa otimista enfrenta/percebe eventos negativos como temporários  e os positivos como permanente.

Já a segunda dimensão consiste no impacto que os eventos causam na vida do indivíduo. Por exemplo, o indivíduo otimista percebe eventos negativos  como específicos e pontuais e os positivos como esperados.

Na nossa estória, como as personagens reagiram? Quem foi otimista e pessimista?

Agora, responda rápido…. lido tudo isso… Você é otimista?

Quando estamos em uma situação adversa, quando não vemos solução no fim do túnel, quando tudo parece dar errado é nesse momento que precisamos exercer o otimismo.

Situações da vida

Quantos de nós já fomos a entrevistas de emprego e não conseguimos o trabalho? Quantos de nós já pedimos a mão de alguém em namoro e, educadamente, recebemos aquele sorriso amarelo dizendo: eu não estou no momento de namoro… o “problema não é você, sou eu… você é a pessoa certa no momento errado”? Ou quantos de nós já não recebemos uma multa por estacionar em um lugar ou por excesso de velocidade?

A pior frase, na minha percepção, é “fulano, não precisamos mais dos seus serviços na empresa. Agradecemos sua contribuição, mas a partir de agora você não faz mais parte do nosso quadro de colaboradores”.

Uau!!

Como reagir a isso?

Eis o mistério da fé.

Não há solução. O otimismo é a forma como percebemos os acontecimentos. Logo, para ter um aumento de otimismo você precisa mudar a forma como você se relaciona e percebe o mundo, os fatos, os acontecimentos e os contextos que você vive.

Para fazer isso, o primeiro passo é você saber lidar com a frustração. Nem sempre conseguimos o que queremos. A demissão de um emprego pode te levar a um melhor ou a uma situação inovadora.

O término de um relacionamento pode te libertar para viver o amor verdadeiro: o amor próprio e assim por diante.

O mosquito da dengue tem foco… e você ai pensando em desastres?

Mude. Comece de vagar. A direção é mais importante que a velocidade.

Pare por um instante e pense: o que eu posso aprender com o que está acontecendo? O que posso ver de positivo neste momento de adversidade?

E após refletir, anote suas conclusões e percepções.

E se isso ainda não der certo… tudo bem… você pode olhar para seus acontecimentos com outros olhos no dia seguinte. Sempre haverá um novo nascer do sol… mas nem todos vão querer acordar cedo para contemplar sua beleza e exuberância.

E você….concorda?

Faz sentido?

Deixe aqui seu comentário. Compartilha comigo como você exercita seu otimismo.

Um Grande Abraço e Saudações Positivas!

Saulo Luna

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *